A Defesa Civil de Guapimirim, por meio da Guarda Ambiental, libertou no último dia 20, quarta-feira, 150 pássaros e 6 jacarés de papo amarelo na sede da Área de Proteção Ambiental (APA) da cidade, no Vale das Pedrinhas. Os animais foram apreendidos em cativeiros ilegais e outros lugares impróprios. Alunos da Escola Municipal Nelson Costa Mello participaram da ação em uma palestra educativa sobre a importância destes animais viverem em seu habitat natural.

Jacaré_

Estudantes em contato com um jacaré de papo amarelo, apreendido e libertado na operação. Foto: Divulgação.

Denúncias de moradores ajudaram na localização dos animais, que foram conduzidos a um centro de triagem do IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, em Seropédica, para avaliação. Cerca de 300 gaiolas foram destruídas. Entre as espécies de aves soltas havia tico-tico, coleiro, tiziu, cigarrinha, sabiá, laranjinha e sabiá da mata. Já o jacaré de papo amarelo, nunca visto antes por muitas das crianças que assistiram a palestra, é uma espécie em extinção, cujo habitat natural, no Brasil, é o litoral brasileiro, hoje muito povoado e desmatado, resultando no seu isolamento dentro de reservas ambientais.

Crianças_

Animais mantidos em cativeiro foram soltos na APA de Mesquita. Foto: Divulgação.

Os estudantes vivenciaram esse momento aprendendo sobre a fauna e flora local, incluindo a importância deles para o funcionamento pleno do ecossistema e a ilegalidade de atos como este, em que animais são apreendidos e mantidos em cativeiros. “Estamos aprendendo que não devemos prender os animais, jogar lixo nos rios e nem poluir a Baía de Guanabara”, contou uma das alunas.

O prefeito Marcos Aurélio, que acompanhou a ação, ressaltou o papel da população na identificação e fiscalização e a relevância do trabalho desempenhado pela Defesa Civil. Segundo ele, “Guapimirim é uma cidade privilegiada. Temos um tesouro composto por rios, mangue e animais em extinção em uma área de proteção ambiental que ainda é uma parte intocada do litoral da Baía de Guanabara. Precisamos preservar este local. Precisamos cuidar das espécies e mantê-las na natureza para que elas cumpram o seu papel”.