O SESC Rio, com o objetivo de comemorar o Dia Internacional da Mulher, traz artistas da Baixada Fluminense, entre outros, com obras livremente inspiradas em grandes mulheres de todos os tempos. Artistas, políticas, feministas, donas de casa. Mulheres que, de alguma forma, influenciaram gerações, seja através de seu trabalho, seja por alguma ação pontual, ficaram marcadas, reconhecidas e se tornaram referência nos Direitos da mulher. A exposição visa fazer reconhecer o valor social, cultural e político dessas personagens, além de fomentar o respeito aos direitos fundamentais da mulher e preconizar e instigar a discussão do tema da violência contra a mulher.

Pammela Castro, Sonia Monteiro, Vanderlaine Alencar, Elaine de Lira, Celeste Conceição, e Lilian Cristina. Foto: Jorge Ferreira

Pammela Castro, Sonia Monteiro, Vanderlaine Alencar, Elaine de Lira, Celeste Conceição, e Lilian Cristina. Foto: Jorge Ferreira

São dezessete obras de diferentes estilos, sendo doze oriundas de municípios da Baixada Fluminense, e cinco da Nami Rede Feminista de arte urbana (graffite), com imensos painéis na entrada do saguão do teatro. Ainda no mesmo salão, quinze reproduções fotográficas no tamanho 100 X 60 exibem personalidades femininas de grande destaque, e revelam ao publico um resumo de suas trajetórias com legendas cuidadosamente elaboradas pela curadoria do SESC Nova Iguaçu. O evento, que teve abertura nesta quinta-feira, 06 de março, com as presenças das artistas participantes: Ana Ferreira, Celeste Conceição, Elaine De Lira, Gabriela Boechat, Lilian Cristina, Sônia Monteiro, Vanderlaine Alencar e Panmela Castro, que na primeira visita a exposição narraram para o publico o processo de pesquisa e composição dos trabalhos ali apresentados. Após um delicioso coquetel, uma mesa debatedora foi composta no teatro, com a Delegada Teresa Pezza e o inspetor Jaime da Costa Moraes, ambos da DEAM Nova Iguaçu; da Gestora Cultural Ana Paula Galvão e da Artista e militante da Rede Nami’ Panmela Castro. A discussão trouxe ao publico informações relevantes acerca da Lei Maria da Penha, visando conscientizar sobre direito de denunciar a violência contra mulher, bem como a reflexão acerca da cultura misógina que vem se perpetuando através de vários comportamentos aceitos como “naturais”.

Os representantes da DEAM Nova Iguaçu relatou que pelos índices apresentados, o numero de mulheres que denunciam aumentou, devido a coragem impulsionada pela divulgação da Lei Maria da Penha, que chega ao conhecimento mesmo que superficial a 80% da população. Ja as ativistas Ana Paula Galvão e Pâmela Castro, enfatizaram a produção artística como ferramenta imprescindível para denuncia e prevenção da violência citando como exemplo a Rede Nami que faz intervenções criativas pela técnica do graffiti em escolas publicas.

No final, o publico empolgado e identificado com as questões ali abordadas, interagiu bastante, denunciando as agressões sem punições, bem como o mal atendimento em algumas delegacias. O poeta Alan Salgueiro recitou o poema “Não se Silencia”, que narra e denuncia a trajetória da violência contra a mulher.

A exposição segue até o dia 31 de março. Durante a exposição estão previstas exibições de vídeos sob a curadoria do SESC e rodas de conversas organizadas pelas próprias artistas participantes.

Serviço:
Galeria de Artes do Sesc Nova Iguaçu
De terça a sábado, das 09 as 20h
Domingos, das 09 as 18h
Rua Dom Adriano Hipólito, 10, Moquetá, Nova Iguaçu
Tel.: 21 2797-3426