Na noite de ontem (18/09), os bancarios do Rio aprovaram, durante assembleia realizada na Galeria dos Empregados do Comércio, greve por tempo indeterminado. A decisão segue a orientação do Comando Nacional dos Bancários e da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

“A unidade nacional será fundamental para o sucesso desta greve e de nossa campanha salarial. Só haverá avanço nas negociações se os bancários aderirem em massa ao movimento e aumentarem a pressão sobre os bancos. Estou certo de que os companheiros e companheiras do Rio, como sempre fizeram, participarão ativamente da mobilização da categoria”, avalia o presidente do Sindicato Almir Aguiar.

De acordo com o Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, a manifestação ocorre contra o Projeto de Lei 4330/04, que prevê a ampliação da terceirização em toda a força produtiva do país. Os 500 mil bancários de todo o país decretaram greve por tempo indeterminado, a partir desta quinta-feira (19/09).

Bancários em greve no Brasil inteiro. Foto: Divulgação.

Bancários em greve no Brasil inteiro. Foto: Divulgação.

Reivindicações dos bancários

• Reajuste salarial de 11,93% (5% de aumento real além da inflação)
• PLR: três salários mais R$ 5.553,15.
• Piso: R$ 2.860,21 (salário mínimo do Dieese).
• Auxílios alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 678 ao mês para cada (salário mínimo nacional).
• Melhores condições de trabalho, com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoece os bancários.
• Emprego: fim das demissões, mais contratações, aumento da inclusão bancária, combate às terceirizações, especialmente ao PL 4330 que precariza as condições de trabalho, além da aplicação da Convenção 158 da OIT, que proíbe as dispensas imotivadas.
• Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.
• Auxílio-educação: pagamento para a graduação e pós-graduação.
• Prevenção contra assaltos e sequestros, com o fim da guarda das chaves de cofres e agências por bancários.
• Igualdade de oportunidades para bancários e bancárias, com a contratação de pelo menos 20% de negros e negras.