O Conselho Comunitário de Segurança de Nova Iguaçu (CCSNI) promoveu na última terça-feira (23), o segundo encontro do ano, no auditório da Sincovani, no Centro. A atividade reuniu empresários, associações de moradores e sociedade civil, com o objetivo de discutir ações sobre segurança no território iguaçuano.

Foto: Thiago Loureiro.

Foto: Thiago Loureiro.

Participaram do encontro o secretário de Assuntos Estratégicos, que também é vice-presidente do Conselho Municipal de Segurança E Direitos Humanos de Nova Iguaçu (Conseg), Marcello Lessa, além do presidente do CCSNI, Uéliton Pessanha, comandante do 20º Batalhão da Polícia Militar, Tenente Coronel Dantas, delegado assistente da 52ª DP, Pedro Rangel, inspetor da 58ª DP, Renato Bittencourt e o presidente do Conseg, Jayme Soares.

Foto: Thiago Loureiro.

Foto: Thiago Loureiro.

De acordo com Lessa, a participação do governo nos encontros, auxilia na criação e segmentação de diversos projetos.

“Estamos aqui com pessoas da sociedade, que mesmo sem remuneração, se preocupam com o tema e buscam uma melhor qualidade de vida. Projetos como o Centro de Operações, que vai instalar mais de 70 câmeras de monitoramento em Nova Iguaçu, por exemplo, tiveram muita influência das reuniões do conselho, uma vez que a seleção dos pontos de instalação foi traçada a partir das denúncias colocadas nas reuniões em paralelo com a mancha criminal da cidade”, afirma.

O comandante do 20º Batalhão falou da importância da participação popular nos encontros.

“Tem sido muito prazeroso comandar o 20º batalhão, pois a sociedade é muito participativa. Estou à disposição e espero poder continuar contando com as pessoas, também nas reuniões que desenvolvemos no café da manhã comunitário, que ocorre toda terceira terça-feira de cada mês, sempre às 9h, na sede do batalhão”, concluiu.

As reuniões do CCSNI acontecem toda quarta terça-feira no auditório da Sincovani e as do Conseg, sempre na primeira terça de cada mês, na sede da Subsecretaria dos Conselhos Municipais de Nova Iguaçu (Avenida Nilo Peçanha, nº 476) e também são abertas para a participação popular.