Segundo levantamento do Sistema FIRJAN, em 2016, o roubo de cargas nos municípios próximos a Duque de Caxias aumentou 43,3%, em relação a 2015. A região registrou 2.168 casos, um a cada 4 horas, respondendo por 22% das ocorrências no estado. Os prejuízos causados ultrapassaram R$ 136 milhões, o equivalente a R$ 374 mil por dia. Os dados foram apresentados pelo gerente de Estudos de Infraestrutura da Federação, Riley Rodrigues, durante encontro na última terça-feira (07/02), na Representação Regional FIRJAN/CIRJ Baixada Fluminense, em Caxias. O objetivo foi reunir autoridades municipais e estaduais para debater estratégias de atuação que coíbam a violência, problema que afeta a retomada do desenvolvimento do setor industrial.

Gerente de Estudos de Infraestrutura da Federação, Riley Rodrigues, durante o encontro nesta terça-feira (07/02). Foto: Divulgação.

Segundo o Sistema FIRJAN, o levantamento mostra que, em 2016, sete unidades policiais registraram aumento desse tipo de crime em relação a 2015. Em Campos Elíseos, o crescimento foi de 122%. “Mais de 88% dos casos concentram-se em quatro delegacias: Duque de Caxias, Vilar dos Teles, Belford Roxo e Campos Elíseos”, explicou o economista.

Roberto Leverone, presidente da Representação Regional FIRJAN/CIRJ Baixada Fluminense Área II, em Duque de Caxias, reforçou que policiamento é essencial para coibir o roubo de cargas. “Para atrair investimentos, uma região precisa oferecer infraestrutura adequada, mão de obra com boa formação educacional, comércio dinâmico, boa estrutura de saúde, serviços diversificados e opções de lazer. Porém, nenhum desses fatores ocorre quando não há segurança. É preciso melhorar com urgência o policiamento no estado do Rio de Janeiro”, ressaltou Leverone.

Roberto Leverone, presidente da Representação Regional FIRJAN/CIRJ Baixada Fluminense Área II, em Duque de Caxias. Foto: Divulgação.

Desde 2011, o roubo de cargas na região cresceu 220%. Nesse período, Guapimirim registrou aumento de 2.600% e Imbariê 1.200%. O prejuízo causado por esse crime entre 2011 e 2016 alcançou R$ 451,3 milhões (quase 2,5 vezes o valor estimado do Arquinho, o Anel Viário de Campos Elíseos, R$ 181,3 milhões).

Com dez assaltos e um sequestro em 2016, e dois assaltos já neste ano, a maioria na Avenida Brasil, Paulo Faustino Porto e Roberto Faustino Porto, sócios no frigorífico de aves Irmãos Porto e Cia, em Paty do Alferes, já registraram prejuízo de quase R$ 200 mil. “No ano passado, novembro e dezembro foram os piores meses, chegamos a ter dois assaltos por semana. Nas rodovias federais, é preciso que a Polícia Rodoviária Federal faça o patrulhamento constante. Fiscalização comercial e punição são fundamentais para reduzir o mercado de receptação e, consequentemente, o roubo de cargas. A sensação é de abandono. Estamos cansados”, enfatizou Paulo Porto.

Também participaram da reunião secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico de Duque de Caxias, Junior Reis, secretário Municipal de Indústria, Comércio e Desenvolvimento de Magé, Edvar Tavares, secretário de Indústria e Comércio de Belford Roxo, Carlos Santos, representantes das polícias Rodoviária Federal, Civil e Militar, e da Fetranscarga. A melhoria da segurança é um dos principais pleitos do Mapa do Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro, lançado pelo Sistema FIRJAN em maio de 2016.